BLACK SABBATH_ Debaixo de muita chuva, São Paulo se despede do Black Sabbath O estádio do Morumbi lotou para assistir a última apresentação da banda no país na The End Tour

Black Sabbath - The End Tour SP (Foto: Ale Frata/Marofa Music)

BLACK SABBATH_ Passava pouco das 20h30, horário marcado para entrada do Black Sabbath no palco, para o seu último show no país, quando as luzes do Estádio do Morumbi se apagaram. debaixo de muita chuva, como se a Capital estivesse chorando pela despedida do Black Sabbath dos palcos. Esta não é a primeira vez que a banda anuncia seu fim, mas da última vez para cá muitas coisas aconteceram, e por conta da doença do guitarrista Tony Iommi, talvez essa seja mesmo a The End Tour.

Deve ser muito difícil escolher um set list de 13 músicas para um momento tão especial e com tanto material produzido, mas o Black Sabbath sabe o que faz, e logo de cara já mandaram a clássica Black Sabbath, que começa calma e lenta e termina como o público gosta.

Black Sabbath - The End Tour SP (Foto: Ale Frata/Marofa Music)
Público na saída do show de Black Sabbath – The End Tour SP (Foto: Ale Frata/Marofa Music)

Ozzy Osbourne, como sempre, esbanjando simpatia e bem mais magro, mandou bem nos vocais, apesar de algumas escorregadas, como já faz parte da tradição. Os riffs pesados de Tony Iommi deixarão saudades ao povo do heavy metal. Ele, juntamente com o Black Sabbath influenciou muita banda, nesses quase 50 anos de estrada. O fato é que do jeito que começou, tem que terminar, com Tony, Ozzy e Geezer Butler dividindo os palcos. Por questões financeiras no acerto do cachê, o baterista Bill Ward não está nessa turnê, e quem o substitui é o baterista Tommy Clufetos, que no palco lembra muito o visual de Bill Ward nos anos setenta. Tommy, que toca com Ozzy na carreira solo, também foi responsável pelo descanso da banda, durante o show. Entre Rat Salad e Iron Man, ele divertiu o público com um longo solo de batera, enquanto os tiozinhos recarregavam suas baterias. O baixista Geezer Butler, é definitivamente um dos melhores baixistas do mundo, além de ser um dos grandes responsáveis pelas composições do início da carreira do Sabbath. Dá gosto vê-lo tocar, pesado, disposto e muito seguro, ele se destaca no palco.

No começo do show, um apagão muito rápido deixou o palco às escuras, sem luzes e telão, mas o som não parou. Foi algo muito rápido e não aconteceu novamente.

Antes de Children of the Grave, Ozzy anuncia que aquela seria a última música, mas a gente sabia que depois, para finalizar, pelo menos a parte ao vivo, teria a clássica e imortal Paranoid. Assim que a banda saiu, Ozzy já entoou o famoso “Olê Olê Olê”, mas não teve retorno do público, que perdeu a chance de homenagear a Chapecoense naquele momento, mas fez na saída, como mostra o vídeo gravado por nós. Então, Ozzy já mandou o também tradicional “One More Song” e foi seguido pelo público. Muito difícil naquele momento, pensar que eu estaria prestes a assistir a última música ao vivo do Black Sabbath, pelo menos no Brasil. E foi isso que aconteceu, e depois que a banda tocou no bis e se despediu, entrou no telão a música Zeitgest, enganando alguns que ameaçaram a voltar pra pista, achando que a banda tinha voltado para o palco, mas era apenas em vídeo.

O show teve pouco mais de 1h30, e satisfez o público, que saiu realizado por ter assistido o que promete ser mesmo o último show deles no Brasil. A abertura foi por conta do Rival Sons, banda californiana que tem participado da The End Tour abrindo os shows do Sabbath, e representando muito bem. Recentemente, eles tocaram no Brasil na Arena Anhembi no Monsters of Rock 2015.

Rival Sons no Monsters of Rock 2015, na Arena Anhembi. (Foto: Ale Frata/MarofaMusic)
Rival Sons, que abriu o show do Black Sabbath no Morumbi, durante apresentação no Monsters of Rock 2015, na Arena Anhembi. (Foto: Ale Frata/MarofaMusic)

A imprensa brasileira não foi credenciada para fotografar as apresentações do Black Sabbath, por exigência da produção da banda, que infelizmente também não liberou o material do show feito pelo fotógrafo oficial, por esse motivo não temos material de palco digno deste show, apenas algumas fotos feitas com smartphone, mas não vamos utilizar nesse formato.

Se serve de consolo, o Ozzy em entrevista recente disse que quem vai parar é o Black Sabbath, que ele continua na estrada. Nem precisamos dizer que a torcida é para que Geezer Butler esteja com ele.

Set List
Black Sabbath
Fairies Wear Boots
After Forever
Into the Void
Snowblind
War Pigs
Behind the Wall of Sleep
N.I.B.
Rat Salad
Iron Man
Dirty Women
Children of the Grave

Bis:
Paranoid
Zeitgeist (em vídeo)

 

About Ale Frata 50 Articles
Fotógrafo, publicitário e editor do Marofa Music. Ex-baterista do 1853, para não ficar longe dos palcos, hoje fotografa shows e espetáculos, além de futebol e outros segmentos. Dentre os estilos musicais, o predileto é rock n' roll, sem rótulos. Tattoo pra acompanhar.

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.